Total de visualizações de página

domingo, 21 de novembro de 2021

Tema de Redação - "Cidadania e meio ambiente"

 

                                       CORREÇÃO E REFEITURA

NOTA: 680

O mundo pós-moderno enfatiza o exercer (1) da cidadania, salientando-se (2), de forma responsável, os deveres sociais para com o meio ambiente. Um reflexo da busca pela sustentabilidade (3) que tem se intensificado nos últimos séculos (4).

A desigualdade social exibe (5) impactos ambientais, por exemplo, nas grandes cidades, em cujas periferias concentram-se grandes quantidades do descarte inadequado (6) e escassez de saneamento básico. O resultado é a degradação ambiental, inclusive também (7), a falta de acesso à educação, convergindo-se (8) logo a (9) um problema socioambiental.

Vê-se, em paralelo, que a cidadania, em parte dos deveres, exibe-nos e pede-nos responsabilidade social e coletiva. A dignidade humana como princípio fundamental da Constituição Federal promove a coexistência mútua (10) entre tais responsabilidades, de modo que a primeira induz atitudes cabíveis ao bem-alheio (11) de modo singular gerando o segundo, o bem-estar comum.

Além disso, verifica-se a necessidade de maior atuação do Estado visando a (12) diminuição das desigualdades sociais, visto que (13) constitui um dos objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil. E (14) também maior participação da sociedade enquanto cidadãos precisa ser feita através (15) da educação, conhecendo seus direitos e deveres.

Tendo em vista o apresentado (16), vê-se claramente que cada vez mais faz-se necessária (17) um diálogo entre cidadania e responsabilidade socioambiental, de modo a enfatizar quanto estão intimamente ligadas e causando (18) influências cotidianas.

 

                                                    CORREÇÕES

 

1-    Por que substantivar o infinitivo se existe o substantivo “exercício”?

2-    O sujeito é o mesmo, “o mundo moderno”, de modo que não cabe o “se”.

3-    Insira a vírgula antes do “que”, pois há uma só busca. Ou seja, a oração que esse conectivo insere é explicativa, e não restritiva. 

4        - Evite fragmentar o período: “Isso é um reflexo da busca pela sustentabilidade...”.

5-    É melhor “provoca”.

6        - Descarte de quê? Complete o sintagma.

7        - Evite o pleonasmo; basta “inclusive”.  

8-     Evite o gerúndio e retome “falta” por meio de um pronome relativo: “...inclusive a falta de acesso à educação, que convergiu logo para um problema ambiental”.

9        - Atenção à regência: algo converge para, e não a.  

10   - Evite o pleonasmo e atente ao uso do conectivo: “...promove a coexistência de tais responsabilidades...”.

11- Aí existem duas palavras, e não um composto: “bem alheio”.

12- Atenção para a regência; o verbo visar com o sentido de “objetivar”, “ter como propósito”, é transitivo indireto.

13- Introduza o elemento coesivo: ...visto que ela constitui...”.

14- Evite fragmentar o período. Veja a REFEITURA.

15   - Evite o truncamento sintático. Veja REFEITURA.

16   - Prefira “Diante disso”.

17   - Atenção para a concordância. O sujeito é “um diálogo”, cujo núcleo é masculino.

18   - Troque o gerúndio por forma desenvolvida: “...e causam influências cotidianas.”

                           

                                                     REFEITURA

O mundo pós-moderno enfatiza o exercício da cidadania, salientando, de forma responsável, os deveres sociais para com o meio ambiente. Isso é um reflexo da busca pela sustentabilidade, que tem se intensificado nos últimos os séculos.

A desigualdade social provoca impactos ambientais, por exemplo, nas grandes cidades, em cujas periferias concentram-se grandes quantidades do descarte inadequado de resíduos tóxicos e escassez de saneamento básico. O resultado é a degradação ambiental, inclusive a falta de acesso à educação, e isso converge logo para um problema socioambiental.

Vê-se, em paralelo, que a cidadania, em parte dos deveres, exibe-nos e pede-nos responsabilidade social e coletiva. A dignidade humana como princípio fundamental da Constituição Federal promove a coexistência de tais responsabilidades, de modo que a primeira induz atitudes cabíveis ao bem alheio de modo singular e gera o segundo – bem-estar comum.

Além disso, verifica-se a necessidade de maior atuação do Estado visando à diminuição das desigualdades sociais, visto que ela constitui um dos objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil. Assim, também propicia maior participação da sociedade por meio da educação, levando o indivíduo a conhecer seus direitos e deveres.

Diante disso, vê-se claramente que cada vez mais faz-se necessário promover o diálogo entre cidadania e responsabilidade socioambiental. Essa tarefa cabe ao Ministério da Educação, por meio da inserção nos currículos escolares de disciplinas voltadas ao estudo e à preservação do meio ambiente, que deve ser tratado com prioridade dada a sua importância para a sobrevivência das gerações futuras. Isso enfatizará a percepção de que cidadania e meio ambiente estão intimamente ligados e influenciam o nosso cotidiano.  

 

                                                    OBVERVAÇÕES

          Procure apresentar o ponto de vista na Introdução.  

           Proceda a ajustes no nível semântico, a fim de tornar o texto mais preciso, e fique atento à coesão.

         A proposta de intervenção é extremamente lacunosa. Além de não nomear o agente, deixa muito vaga a ação.  

         Leia com bastante atenção a REFEITURA, confrontando a sua versão com a versão refeita. Nela podem ocorrer ajustes ou retificações que não constam nas CORREÇÕE0S.

 

                    Competências                       

    0

  40  

   80       

120

 

 160

200

 

(1) Domínio do registro formal     

 

 

 

 

X

 

 

(2) Compreensão do tema e aplicação de conceitos variados

 

 

 

X

 

 

(3) Seleção e relacionamento coerente de informações e argumentos       

 

 

 

 

X

 

(4) Conhecimento dos mecanismos linguísticos para a argumentação

 

 

 

 

X

 

(5) Apresentação de propostas

 

 

X

 

 

 

 

REFAZER       -      SIM  X    NÃO__                                          

                 

                                              

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2021

Redação corrigida - "As relações humanas no mundo pós-pandemia"



       A pandemia de coronavírus, que acometeu todo o globo terrestre, não atingiu somente a esfera sanitária, mas também (1) as esferas econômicas, sociais e políticas (2) ao intensificar diversos problemas inerentes às civilizações: as desigualdades sociais, os movimentos anticiência, a proliferação de “fake news” e o avanço de doenças mentais. Embora caótico, esse cenário permite analisar profundamente as relações humanas no sentido de compreender a dinâmica (3) e de propor soluções para tais conjunturas (4), haja vista que a superação dessa crise exige o estudo e a absorção das lições provenientes dessas problemáticas. Nesse sentido, é imprescindível reconhecer as grandes mudanças – as quais irão muito além de medidas sanitárias – que as sociedades, em todo mundo, sofrerão após a pandemia, a qual tornar-se-á (5) um marco histórico para toda a humanidade.

         Entre essas alterações, ressalte-se o fortalecimento (6) das relações interpessoais, que, líquidas dentro das sociedades modernas – como propôs Zygmunt Bauman em sua obra “Modernidade Líquida” -, volatilizaram-se com a centelha (7) do distanciamento no contexto da pandemia. Esse isolamento, ao corroborar (8) o avanço de transtornos mentais e psicológicos – tais como a depressão e a ansiedade -, expôs uma contradição experenciada pelas comunidades humanas: a importância de se estabelecer interações sólidas em (9) mundo cada vez mais marcado pelo individualismo e pela fragilidade dos vínculos entre os indivíduos. Desse modo, a pandemia evidenciou as árduas consequências do processo de afastamento, não físico, mas afetivo e social, que as sociedades têm presenciado, o que demonstra a necessidade de fortalecimento dessas relações – fator essencial para a diminuição dos impactos de eventuais crises sobre o estado emocional e psicológico das populações afetadas.

         Ademais, cabe analisar as implicações socioeconômicas e políticas derivadas desse ínterim (10). Essas ações - não limitadas a questões sanitárias - deverão pautar-se na proteção da economia, na informação da população e na coordenação independente da saúde, tendo em vista que a crise econômica sistêmica, a desinformação generalizada e as divergências governamentais representaram os maiores obstáculos ao controle da pandemia em todo o mundo. Embora contornáveis, esses empecilhos se agravaram graças às aulas “do que não se fazer” diante de um cenário pandêmico, protagonizadas por diversos governos – principalmente o americano e o brasileiro – os quais utilizaram a saúde como fonte para a corrupção e como arma política, o que acirrou tensões políticas, além de, constantemente, questionarem as evidências científicas, o que legitimou a disseminação de fake news e a ascensão de movimentos anticiência. Dessa forma, como sugere notável afirmativa do político irlandês Edmund Burke (11), para o qual “aqueles que não conhecem a história estão fadados a repeti-la”, cabe aos governantes e às sociedades estudar o quadro e pleitear mudanças a fim de prevenir a repetição desses eventos em questão (12).

         Em suma, infere-se que (13) as relações humanas no período pós-pandemia sofrerão profundas mudanças, as quais (14) basear-se-ão, sobretudo, no fortalecimento dos vínculos sociais – liquefeitos na modernidade, segundo Zygmunt Bauman -, e na atuação do Estado e da coletividade em prol da prevenção contra os impactos de eventuais crises – por meio do conhecimento dos fatos históricos, como afirmou Edmund Burke. Assim, como os veículos midiáticos têm propagado, viver-se-á um “novo normal”, em que a pandemia de COVID-19 representará o “divisor de águas” entre tais intervalos (15).

 

                            CORREÇÕES

1)    Atenção para o paralelismo: “...atingiu não somente a esfera sanitária,  mas também as esferas...”.

2)     Indique no singular cada esfera:  “as esferas econômica, social e política”.

3)    A dinâmica de quê? Dos referidos problemas ou das relações humanas? Neste segundo caso, escreva: “compreender-lhes a dinâmica”.  

4)      Flexione no singular, pois “conjuntura” já supõe o conjunto de problemas.

5)      Use próclise após pronome relativo: “a qual se tornará”.

6)    Se as relações se volatizaram, não se fortaleceram! É melhor falar em mudanças, transformações.

7)    Seria essa uma metáfora adequada? “Centelha” é luz forte, faísca. Talvez seja melhor optar por um termo de valor denotativo, como “imperativo”.

8)    Inadequação semântica. É melhor “promover”, “provocar”.

9)    Insira o artigo indefinido “um”.

10)                       Substitua por “quadro” ou “conjuntura”. “Ínterim” é “espaço de tempo”, “intervalo entre uma coisa e outra”.

11)                        Corte e simplifique: “Dessa forma, como sugere o político irlandês Edmund Burke,...“.

12)                       Corte para evitar o eco (ão, ão).

13)                      Corte essa parte, que já tem caráter conclusivo.  

14)                       Use próclise após o pronome relativo: “que se basearão”. 

15)                        Proposta de uma melhor ordem: “Assim, como os veículos midiáticos têm propagado, a pandemia da COVID-19 representará o divisor de águas para a vivência de um ‘novo normal’”.

 

                        REFEITURA

A pandemia de coronavírus, que acometeu todo o globo terrestre, atingiu não somente a esfera sanitária, mas também as esferas econômica, social e política, ao intensificar diversos problemas inerentes à civilização: as desigualdades sociais, os movimentos anticiência, a proliferação de “fake news” e o avanço de doenças mentais. Embora caótico, esse cenário demanda analisar profundamente as relações humanas no sentido de compreender-lhe a dinâmica e de propor soluções para os problemas por ele gerados; com efeito, a  superação dessa crise exige o estudo e a absorção das lições que ela pode nos dar. Nesse sentido, é imprescindível reconhecer as grandes mudanças – as quais irão muito além de medidas sanitárias – que as sociedades, em todo mundo, sofrerão após a pandemia, a qual se tornará um marco histórico para toda a humanidade.

 Entre essas alterações, ressalte-se a mudança nas relações interpessoais, que, líquidas dentro das sociedades modernas – como propôs Zygmunt Bauman em sua obra “Modernidade Líquida” , volatilizaram-se com o isolamento exigido no contexto da pandemia. Esse isolamento, ao provocar o aumento de transtornos mentais e psicológicos – tais como a depressão e a ansiedade –, expôs uma contradição experenciada pelas comunidades humanas: a importância de se estabelecer interações sólidas em um mundo cada vez mais marcado pelo individualismo e pela fragilidade dos vínculos interpessoais. Desse modo, a pandemia evidenciou as árduas consequências do processo de afastamento, não físico, mas afetivo e social, que as sociedades têm presenciado, o que demonstra a necessidade do fortalecimento dessas relações – fator essencial para a diminuição dos impactos de eventuais crises sobre o estado emocional e psicológico das populações afetadas.

 Ademais, cabe analisar as implicações socioeconômicas e políticas derivadas desse quadro, que requisita ações com ele condizentes. Essas ações - não limitadas a questões sanitárias - deverão pautar-se na proteção da economia, na informação da população e na coordenação independente da saúde, tendo em vista que a crise econômica sistêmica, a desinformação generalizada e as divergências governamentais representaram os maiores obstáculos ao controle da pandemia em todo o mundo. Embora contornáveis, esses empecilhos se agravaram graças às aulas “do que não se fazer” diante de um cenário pandêmico, protagonizadas por diversos governos – principalmente o americano e o brasileiro – que utilizaram a saúde como fonte para a corrupção e como arma política, o que acirrou ainda mais as tensões. Como se isso não bastasse, eles constantemente questionaram as evidências científicas, o que legitimou a disseminação de fake news e a ascensão de movimentos anticiência. Dessa forma, como sugere o notável o político irlandês Edmund Burke, para o qual “aqueles que não conhecem a história estão fadados a repeti-la”, cabe aos governantes e às sociedades estudar o quadro e pleitear mudanças a fim de prevenir a repetição de tais eventos.  

 Infere-se do que foi dito que as relações humanas no período pós-pandemia sofrerão profundas mudanças, as quais se basearão, sobretudo, no fortalecimento dos vínculos sociais – liquefeitos na modernidade, segundo Zygmunt Bauman –, e na atuação do Estado e da coletividade em prol da prevenção contra os impactos de eventuais crises – por meio do conhecimento dos fatos históricos, como afirmou Edmund Burke. Assim, como os veículos midiáticos têm propagado, a pandemia da COVID-19 representará o divisor de águas para a vivência de um “novo normal”’.

 

                          COMENTÁRIOS

O texto apresenta um bom nível de análise. Explora com embasamento crítico o cenário que possivelmente se instalará após a epidemia da Covid-19.

Pode, contudo, ser aprimorado nos aspectos da coesão e da semântica. Além disso, ganharia em clareza caso determinados períodos fossem menos extensos.

Leia com bastante atenção a REFEITURA, comparando-a com a versão original. Nela há propostas e retificações que não apareceram nas CORREÇÕES.

quarta-feira, 15 de abril de 2020

Redação corrigida - "A escola como promotora de vida sustentável"




    
            Na escola, (1) a experiência do feijão no algodão é responsável por introduzir na criança a lógica da preservação do meio ambiente (2). Contudo, para se ter uma vida sustentável, é importante prezar não só pelo bem-estar do planeta, mas pelo das relações interpessoais, o que não ocorre devido à perda de senso crítico do aluno em relação à (3) temáticas ambientais, e ao isolamento social dos jovens.
             Em primeiro lugar, é válido dizer que  (4) a perda de senso crítico ocorre porque (5) o aluno desvia o foco de determinados temas ambientais. A cada ano, ele se vê recheado de matérias e assuntos novos, e estudar tais temas passa a ser necessário apenas para ter bons desempenhos (6). Ou seja, ao se deparar com o assunto "aquecimento global'', o aluno não se sensibiliza com o fato de que o planeta está sofrendo graves mudanças, pois o foco é obter boas notas. Logo, da mesma  maneira que o aluno se distancia da síntese (7), se distancia de ter uma vida sustentável.
             Ademais, o isolamento social dos jovens é um mal à (8) ser combatido.  Tal chaga (9) afeta a comunicação - principal meio de manter o bem-estar das relações interpessoais. Em um exemplo genérico (10), se um  aluno não discute com o pai o que aprendeu na escola, nem discute com o professor o que aprendeu em casa, esses valores serão transmitidos (11). Ora, se para uma sociedade ter perspectiva de continuidade ela precisa de comunicação, o isolamento não pode existir. Portanto, tal  problema deve ser combatido ainda na escola , para que o jovem possa se integrar na sociedade e ter uma vida sustentável (12).
           Diante do que foi dito (13), tendo em vista a importância de compreender o foco das temáticas ambientais, é preciso mudar a estratégia didática. Para isso, a escola deve diminuir a cobrança de tais temas em provas, e aumentar a discussão (14), de modo que a cada semana sejam realizados debates em sala acompanhados de slides que mostram (15) a saúde atual do planeta. Além disso, combater o isolamento social dos jovens é um processo delicado para tanto os professores devem atuar nessa causa (16).  Estes devem promover a união entre dois jovens aparentemente isolados,  onde (17) um diálogo pode surgir quando um entende exatamente os problemas do outro, (18) assim, o primeiro passo para a socialização será dado.

                                                    CORREÇÕES

   1 Por que a escola como adjunto adverbial? Parece que você vai especificar uma ação que vai ocorrer nela. 
   2       Referência muito específica (que experiência é essa?); parece que a redação já está pelo meio. A Introdução deve ser é um pouco genérica e não se ater a referências particulares, que ficam melhor na argumentação.
 3       Sinal inadequado de crase.
      4  Excesso de palavras. Afirme o que vai ser dito, sem mencionar que “é válido dizer. Por que não o seria?
        5  Inversão da relação causa – consequência. A causa é “a perda do senso crítico”.
6  Desempenho” se usa no singular; é um termo abstrato, que já indica totalidade.
    Engloba a performance, que resume a eficiência nas  ações.  
7       Que “síntese”?  Não entendi.
8       Indicação inadequada de crase.
9       Inadequação semântica. Use um termo mais adequado.
10  Nenhum exemplo é genérico. Ele constitui uma particularidade que ilustra uma ocorrência ou uma verdade geral
11  Ou “não serão transmitidos”? Cuidado com a coerência.
12  Boa construção do raciocínio argumentativo nessa parte do parágrafo.
13  Simplifique. “Diante disso", por exemplo.
14  Uma coisa não invalida a outra. Aumentar a discussão não implica que o assunto deva ser menos abordado em classe. O reforço teórico pode aperfeiçoar o conhecimento e a prática de atividades ambientais.
15  O verbo “mostrar” deve estar no subjuntivo, pois indica uma possibilidade, algo que deve ocorrer.
16  Mude a estruturação, pois o apelo a que os professores atuem na causa é uma nova proposta. Essa informação deve, pois, vir após
“Além disso” (veja a Refeitura).  
17  Falha de coesão. Veja na Refeitura o conectivo adequado.
18  Falha de pontuação, pois aí não cabe vírgula.  
   
                                                        REFEITURA

         A escola é responsável por introduzir na criança a ideia de preservar o meio ambiente a fim de garantir uma vida sustentável.  Contudo, para que isso ocorra, deve levá-la a prezar pelo bem-estar não só do planeta, mas das relações interpessoais, o que não ocorre devido à perda de senso crítico do aluno em relação a temáticas ambientais e ao isolamento social dos jovens.
       A perda de senso crítico faz com que o aluno desvie o foco de determinados temas ambientais. A cada ano, ele se vê recheado de matérias e assuntos novos, e estudar tais temas passa a ser necessário apenas para ter um bom desempenho. Ou seja, ao se deparar com o assunto "aquecimento global'', o aluno não se sensibiliza com o fato de que o planeta está sofrendo graves mudanças, pois o foco é obter boas notas. Logo, da mesma  maneira que o aluno se distancia da síntese (?), se distancia de ter uma vida sustentável.
         Ademais, o isolamento social dos jovens afeta a comunicação - principal meio de manter o bem-estar das relações interpessoais. Por exemplo, se um  aluno não discute com o pai o que aprendeu na escola, nem discute com o professor o que aprendeu em casa, esses valores não serão transmitidos. Ora, se para uma sociedade ter perspectiva de continuidade ela precisa de comunicação, o isolamento não pode existir. Portanto, tal  problema deve ser combatido ainda na escola , para que o jovem possa se integrar na sociedade e ter uma vida sustentável.
           Diante disso, tendo em vista a importância de compreender o foco das temáticas ambientais, é preciso mudar a estratégia didática. Para isso, a escola deve associar a cobrança de tais temas em provas com a discussão, de modo que a cada semana sejam realizados debates em sala acompanhados de slides que mostrem como está a saúde atual do planeta. Além disso, como o combate ao isolamento social dos jovens é um processo delicado, os professores devem atuar nessa causa.  Os docentes devem promover a união entre jovens aparentemente isolados, pois com esse diálogo uns poderão entender os problemas dos outros. Assim, o primeiro passo para a socialização será dado.

                                      OBSERVAÇÕES GERAIS
A estruturação como um todo melhorou, mas tenha cuidado com a coesão (emprego de conectivos) e a coerência (conexão entre orações e/ou períodos).  O texto deve sobretudo ter clareza, não deixando ao leitor dúvida  sobre o que o autor quer dizer. 
O terceiro parágrafo é o mais bem estruturado, pois nele você costurou bem a linha do raciocínio, o que concorreu para a sequenciação lógica das ideias.